1 Ó MEU POVO, escute com atenção a minha lei. Abra seus ouvidos para as coisas que eu vou ensinar.

2 Como ilustração eu contarei fatos da história do nosso povo, história muito antiga,

3 que nossos pais e avós nos contaram e conhecemos muito bem.

4 Vou lhes contar essas coisas para vocês poderem passar adiante a história dos milagres maravilhosos que o Senhor realizou e do seu grande poder, contando tudo isso a seus filhos e netos.

5 Ele deu suas Leis a Israel para mostrar sua vontade ao povo, e ordenou aos antigos israelitas que ensinassem essas Leis a seus filhos.

6 Assim, cada nova geração saberia a vontade do Senhor e ensinaria a geração seguinte,

7 para que sempre confiassem em Deus e nunca esquecessem seus grandes milagres, obedecendo fielmente os mandamentos do Senhor.

8 Assim, eles não seriam como os primeiros israelitas, rebeldes e teimosos, infiéis a Deus por causa de seu coração sem fé!

9 Os soldados de Efraim, embora estivessem bem armados, bateram em retirada no dia da batalha.

10 Eles não cumpriram o trato que tinham feito com Deus, e desobedeceram à sua Lei.

11 Esqueceram os grandes feitos de Deus e os maravilhosos milagres que Ele fez diante do povo de Israel.

12 No começo da nação israelita, Ele fez coisas incríveis na terra do Egito, no palácio de Faraó.

13 Depois, abriu ao meio as águas do Mar Vermelho para os israelitas passarem. As águas ficaram paradas, como numa represa.

14 Durante o dia Ele guiava o povo com uma nuvem; durante a noite com uma coluna de fogo.

15 No deserto, abriu as rochas e deu ao povo muita água para beber, como se a água brotasse de uma fonte.

16 Das rochas quentes do deserto Ele fez correrem verdadeiros rios de água.

17 E apesar de tudo isso, continuaram a desobedecer lá no deserto sendo rebeldes contra o Grande Deus.

18 Em seus corações eles abusaram da paciência de Deus, reclamando do maná e pedindo comida de que gostavam.

19 Reclamaram contra Deus, resmungando: Será que Deus é capaz de nos dar uma comida gostosa aqui no meio do deserto?

20 Ele já nos deu água, fontes que brotaram em grandes quantidades das pedras; agora queremos ver se Ele pode nos dar pão e carne também.

21 Quando o Senhor ouviu isso, se aborreceu. Castigou os rebeldes mandando fogo do céu, e mostrou a sua ira contra Israel

22 porque os israelitas não confiaram nEle, nem creram em Deus como seu Salvador na hora da dificuldade.

23 Apesar de tudo isso Ele deu ordens e abriu as janelas do céu,

24 fazendo chover maná sobre os israelitas! Assim, Deus lhes deu pão do céu para comer!

25 Os israelitas comeram comidas de anjos, até não agüentarem mais.

26 Com seu grande poder Deus dirigiu o vento leste e o vento sul,

27 fez cair milhões de aves sobre o povo, tantas que não se podia contar!

28 As aves caíram junto às tendas do povo, por todos os lados!

29 Então todos comeram à vontade toda a carne que queriam, porque Deus lhe tinha atendido os pedidos.

30 Mas o povo pecou, comendo muito mais do que era necessário; enquanto ainda estavam comendo,

31 Deus mandou seu castigo, e alguns dos homens mais fortes de Israel morreram.

32 Ainda assim o povo continuou pecando, não crendo em Deus, apesar de todos os milagres maravilhosos.

33 Como castigo Ele encurtou a vida daquela geração e deu aos israelitas muitos sofrimentos.

34 Quando Deus castigava o povo com pragas e morte eles se aproximavam dEle arrependidos.

35 Lembravam que Deus era a sua Rocha, o Grande Deus, o Salvador.

36 Mas essa adoração era da boca para fora procurando enganar a Deus

37 porque seus corações não pertenciam completamente a Deus, e eles não cumpriam o trato feito com o Senhor.

38 No entanto, Deus tinha muita compaixão e perdoava os pecados de povo em vez de destruí-lo. Várias vezes Ele desviou a sua ira e conteve o seu furor,

39 pois sabia que eram homens, simples homens, cuja vida some num instante como o vento que passa.

40 Quantas e quantas vezes eles se revoltaram contra Deus no deserto, abusando da sua paciência naquela terra seca e vazia!

41 Volta e meia eles provocavam a ira de Deus e pela sua falta de fé impediram que o Santo de Israel mostrasse toda a sua grandeza.

42 Eles se esqueceram do grande poder de Deus, da maneira maravilhosa pela qual Ele livrou o seu povo do inimigo.

43 Esqueceram-se dos milagres que Ele fez no Egito para ensinar; grandes maravilhas realizadas no palácio de Faraó.

44 Ele transformou em sangue as águas dos rios do Egito, e não havia água para os egípcios beberem;

45 cobriu a terra do Egito de moscas e depois mandou rãs, que invadiram todo o país e destruíram muita coisa.

46 Entregou as colheitas do Egito às lagartas. As plantações onde os egípcios tanto trabalharam foram devoradas pelos gafanhotos.

47 As plantações de uvas e de figos foram destruídas pela chuva de pedras com geadas mandadas por Deus.

48 Durante as tempestades, as pedras e os raios mataram muitos animais dos rebanhos egípcios.

49 Deus lançou contra os egípcios todo o furor da sua ira, com seu castigo, a violência e grandes desgraças. Soltou contra o Egito anjos que provocavam sofrimento e destruição.

50 Não segurou a sua ira, não procurou evitar a morte dos egípcios e mandou pragas e pestes contra aquela terra.

51 Finalmente, matou o filho mais velho de todas as famílias do Egito, rapazes que eram a força e a alegria dos lares egípcios.

52 Levou seu povo para fora do Egito, como um pastor guiando suas ovelhas; conduziu Israel através do deserto.

53 Guiou o povo em paz e segurança e assim Israel não teve medo; seus inimigos, porém, foram afogados no Mar Vermelho.

54 Deus levou o povo até sua terra santa, a terra que Ele criou com seu poder.

55 De lá, Ele expulsou outras nações, bem diante dos olhos deles. Deu a cada tribo de Israel um bom pedaço de terra, onde eles armaram suas tendas.

56 Mas apesar de todas essas bênçãos, continuaram a ser rebeldes e desobedientes a Deus; abusaram da paciência de Deus, deixando de cumprir a sua vontade.

57 Cometeram os mesmos pecados da geração anterior; desviaram-se do caminho certo como um arco torto, cujas flechas nunca acertam o alvo.

58 Provocaram Deus, construindo altares pagãos e adorando imagens de falsos deuses, no alto dos morros.

59 Deus viu e ouviu todos esses pecados, ficou zangado com o povo de Israel, cansado de tanta desobediência e não quis mais saber dele.

60 Por isso, Ele abandonou o pequeno templo de Silo, o lugar que era a sua casa entre os homens.

61 Por isso, deixou que a Arca, símbolo da glória e do poder de Deus, fosse conquistada pelos inimigos de Israel.

62 Deixou os israelitas morrerem aos montes nas batalhas, porque estava muito zangado com o seu povo escolhido.

63 Rapazes israelitas morreram queimados, e as moças não tinham com quem se casar.

64 Os sacerdotes morriam na guerra e as esposas nem podiam fazer cerimônias próprias, com música triste e choro.

65 Foi então que o Senhor Se levantou, como alguém que acorda do sono, como um homem forte e valente estimulado pelo vinho.

66 Com golpes poderosos obrigou os inimigos a recuarem, envergonhados para sempre.

67 Tirou da família de José, da tribo de Efraim, a liderança em Israel.

68 Em seu lugar escolheu a tribo de Judá, o Monte Sião que Ele tanto amava.

69 Ali Ele construiu o seu templo, alto e firme como a terra, eterno como os céus.

70 Escolheu como rei o seu servo Davi, que antes era pastor de ovelhas.

71 Deus tirou Davi do meio das ovelhas e dos cordeirinhos para ser o pastor de Israel, o seu povo escolhido.

72 Davi guiou o povo com um coração sincero e atos inteligentes.

Comentários

Nenhum comentário enviado.